Antes de falarmos sobre o serviço de calibração de estufa (ou câmara térmica), é interessante saber as diferenças entre os tipos de calibrações que podem ser feitos em câmaras térmicas:

-Calibração do indicador/controlador de temperatura: Calibra-se apenas o indicador de temperatura do equipamento. Dessa forma, garante-se apenas a conformidade do indicador de temperatura. É uma calibração "incompleta" pois não garante todo o sistema, mas possui um custo reduzido.

-Calibração do sensor de temperatura: Calibra-se o sensor de temperatura separadamente do sistema. É útil quando é comum a reposição ou troca dos sensores. Dessa forma, é necessário calibrar o indicador de temperatura separadamente, para que seja garantida a malha (indicador + sensor).

-Calibração da malha/termômetro digital: Calibra-se o conjunto indicador + sensor de temperatura, garantindo assim a conformidade nas indicações de temperatura pelo equipamento.

-Qualificação térmica: É um estudo onde são utilizados pelo menos 9 sensores de temperatura distribuídos no interior da câmara térmica, com um tempo mínimo de teste de 30 minutos (após a estabilização da temperatura), em cada ponto calibrado. O tempo de teste pode variar até 48 horas ou mais. Com a qualificação térmica é possível saber a temperatura em cada posição no interior da câmara térmica.


O CTM realiza qualificações térmicas em estufas, muflas, galpões, estufa de incubadora, estufa de secagem, estufas à vácuo, entre outros. Emitimos certificados de calibração e qualificação térmica com o selo RBC/Inmetro, ou seja, de acordo com a norma NBR ISO/IEC 17025. Verifique sempre se o laboratório possui certificações que comprovem sua competência.

A qualificação pode ser feita com a câmara vazia e também com carga.  Aconselhamos a qualificação térmica com a carga, ou seja, o ensaio de penetração do calor na carga, pois o resultado demonstra a real temperatura na carga armazenada ou transportada.

A qualificação térmica vai além de uma simples calibração da indicação da temperatura da estufa. 

Com ela é possível conhecer a homogeneidade da temperatura no interior da câmara e da carga, garantindo que toda a área interna da câmara esteja própria para uso.


Também podem ser feitos estudos de simulação de abertura de porta e queda de energia, para conhecer o comportamento térmico do equipamento em cada caso.